As Doze Liturgias do Abandono

O livro De Isólithus

Em peixes de estimaçãoinclino-me tempo de escamasAlvoroço vértebras insustentáveisàs defesas da carne,Não sei mais das vésperasque guardavam o resto.O futuro descuidou de minha fé:escaparam os anjos que eu tinha.Isólithus: jamais terei a sorte dos peixes,