Uma trincheira entre o mar e os paralelepípedos

As apresentações são sempre de grandes dificuldades: pressupõem a mediação do outro sobre o objeto de forma escancarada, e com ele os juízos de valor, o gosto, a formação e a trajetória. Fica a encargo do outro, mostrar ou não, e quais e como são os cômodos da casa, o que vai pra debaixo do tapete e qual será o bibelô da mesinha de centro da sala.

AUTOR : Jonathan Constantino

Categoria : Poesia

COMPRAR

SOBRE AUTOR

Jonathan Constantino

Nascido em Mogi das Cruzes (SP), em setembro de 1986, Jonathan Constantino rascunhou seus primeiros versos em 1999. Perdidos todos nas gavetas e no tempo, desde 2000 mantem o esforco de registrar seus poemas e projetos de forma mais organizada.

Formado em Biologia, atualmente e professor da rede publica municipal de Sao Paulo (SP). Trabalhou na rede publica estadual e no Instituto Tecnico de Formacao, Pesquisa e Extensao em Agroecologia Laudenor de Souza, em Itabera (SP). Alem da licenciatura, ja atuou como educador popular do CDHEP, no Capao Redondo, zona sul da capital paulistana, e na assistencia social de Suzano (SP), cidade onde viveu quase toda sua vida.

Tanto sua formacao academica e politica, quanto suas experiências profissionais sao veios minerais em sua producao poetica. Cre que a vida, cotidiana e rotineira, com todas as contradicoes materializadas na existencia humana, ainda e a unica materia de onde pode ser extraida aquilo a que chamamos poesia. Contribuiu para o Jornal Brasil de Fato e revistas Mundo & Missao, Missoes e Le Monde Diplomatique Brasil. Criou e administra o blog Versos na linha do tempo e esta com o livro Revelações do abismo no prelo.

"Livro incrível , não conseguia parar de ler , ele nos envolve de uma forma indescritivel"
Evelyn Duncan
USA Today
"Gostei muito dos poemas desse livro realmente inspirador."
Kelli Marconi
Mashable

Confira

Tenha hoje mesmo o seu exemplar

Poesia

Uma trincheira entre o mar e os paralelepípedos

Dividido em seis distintas partes, basicamente ordenadas pelo próprio cotidiano e o esgarçar da vida atuam dentro daquilo que se denomina por novíssima literatura brasileira marcada pela presença dos elementos do cotidiano, abandono da pesquisa antropológica, produção individual, bem como a circulação em circuitos menores que abandonam, negam e debocham da “Sagração Acadêmica”, centrando-se no correr da própria vida, das relações e circunstancias. São os espólios do cotidiano, assinalados pelo próprio autor que se fazem presentes nas páginas a seguir: escrever e ser lido torna-se a experiência performática, o lançamento ao mundo, a sedimentação lírica da vida moderna que se projeta, se debate e se quer contínua. Já diziam os marujos que tatuavam andorinhas a cada mil léguas percorridas: al mare!

" As imagens silenciaram as palavras. "

Jonathan Constantino

Social media

Manter contato. Adoro ouvir os leitores!